Israel e EUA criaram vírus contra o Irão

No Tek Sapo:

A acusação já tinha sido feita anteriormente pelo Irão, mas foi sempre afastada pelos Estados Unidos, que nunca admitiram a responsabilidade sobre o desenvolvimento do Stuxnet, o vírus que afectou sistemas informáticos daquele país islâmico, ligados especialmente ao programa de desenvolvimento nuclear.

Agora especialistas militares vêm confirmar ao jornal The New York Times que o vírus foi concebido numa parceria entre Israel e os Estados Unidos e que pretendia sabotar os esforços de Teerão para o fabrico de armas nucleares.

O teste do vírus terá sido feito a partir do complexo de Dimona, no deserto de Negev, o centro do desenvolvimento do programa de armas nucleares de Israel.

O vírus terá levado ao encerramento de um quinto das instalações nucleares do Irão, diz a notícia, uma informação não confirmada pelas autoridades do país, que ainda assim já admitiram que o ciberataque sabotou o sistema de enriquecimento de urânio.

Um relatório da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) indicava que as centrifugadoras de Natanz – as instalações supostamente afectadas – estiveram paradas “pelo menos durante um dia” a 16 de Novembro, ainda que as autoridades iranianas tenham referido que essa paragem esteve relacionada com trabalhos de manutenção.

Várias entidades têm vindo a usar o exemplo do Stuxnet como uma mostra para o crescimento dos riscos de ciberataques a infra-estruturas críticas, nomeadamente a agência de cibersegurança europeia, ENISA.

Achaste interessante? Partilha!
    Analista de segurança web com vários anos de experiência. Fundador do projeto WebSegura.net. Reconhecido publicamente, por divulgação de vulnerabilidades, por empresas como a Google, Adobe, eBay, Microsoft, Yahoo, Panda Security, AVG, Kaspersky, McAfee, Hootsuite e outros. Colabora regularmente com a comunicação social em temas relacionados com a segurança de informação.

    Que tal participar com o seu comentário?