Códigos de cartões de crédito à venda a partir de 1,5 euros

No Tek Sapo:

O código de um cartão de crédito pode custar no mercado negro do cibercrime de dois a 90 dólares (de 1,49 a 67 euros), enquanto os dados de acesso a contas bancárias vendem-se a partir dos 60 euros e podem custar mais de 500 quando são cedidos com a garantia de que a conta tem saldo.

As informações fazem parte de um estudo realizado pela Panda Security a nível internacional, citado pelo El País, que descreve a proliferação de guerras de preços entre as máfias ligadas ao cibercrime e também a cada vez maior diversificação do negócio.

Nenhum destes recursos, nomeadamente os programas maliciosos desenvolvidos para aceder a contas bancárias, costuma ser usado directamente por quem os cria. O negócio está em vender estes recursos a terceiros, com a intenção de diminuir o risco para os “elos iniciais” da cadeia criminosa. Habitualmente o delito comete-se num país diferente daquele onde se irá dar o “golpe final”.

As ofertas são feitas a partir da publicação de mensagens em fóruns e lojas online de acesso reservado, e que exigem a identificação e password dos “clientes”.

A gama de produtos é bastante diversificada. Além dos códigos – mais caros na Europa e na Ásia do que nos Estados Unidos -, estes “supermercados” também vendem cartões de crédito físicos falsos, com preços a partir dos 134 euros, e máquinas duplicadoras que quando usadas com cartões verdadeiros registam os dados dos mesmos.

O uso mais habitual para os cartões de crédito falsificados é a compra de produtos, mas como esta implica riscos elevados para o “cliente, os cibercriminosos também se oferecem para realizar a compra e enviá-la posteriormente para qualquer endereço, de forma a que a localização do verdadeiro comprador se torne mais difícil.

Achaste interessante? Partilha!
    Analista de segurança web com vários anos de experiência. Fundador do projeto WebSegura.net. Reconhecido publicamente, por divulgação de vulnerabilidades, por empresas como a Google, Adobe, eBay, Microsoft, Yahoo, Panda Security, AVG, Kaspersky, McAfee, Hootsuite e outros. Colabora regularmente com a comunicação social em temas relacionados com a segurança de informação.

    Que tal participar com o seu comentário?